Assim como qualquer intervenção de restauração, a recuperação de forros e pisos deverá ser iniciada somente após a realização de estudo arquitetônico detalhado. O trabalho será composto pelo desenho, medição e digitalização das peças componentes do objeto da restauração. Isso viabiliza o entendimento da forma, da tipologia, dos encaixes, dos desenhos e permite que as intervenções valorizem esses elementos e os integrem ao edifício. O piso e os forros são partes importantes do projeto de restauração. Merecem uma atenção muito especial porque precisam ser mexidos apenas após um estudo arquitetônico detalhado. Precisa-se respeitar a forma, a tipologia, os encaixes e os desenhos que fazem parte da história do edifício. Nas imagens está a restauração do Palacete Gallotti. As peças em madeira que estavam em bom estado foram recuperadas, as demais foram substituídas por outras com características semelhantes.

  Forro (esq.) e piso (dir.) na fase de levantamento – as peças em madeira são todas desenhadas e medidas para que seja possível seu correto registro e reprodução, quando for o caso.

Os trabalhos de restauro considerarão os desenhos formados pelas peças em madeira e sua recuperação, para que seja possível a manutenção das características de cada ambiente, de acordo com sua concepção original.

Os critérios que regerão essa intervenção irão considerar a recuperação de todas as peças em condições de reutilização, sendo que somente aquelas que não tiverem mais condições de uso poderão ser substituídas por outras com características semelhantes em termos de forma e tamanho.

Forro (esq.) em fase de restauração e em fase de finalização (dir.) – recuperação de forro com base nos elementos existentes. Somente nas áreas com peças faltantes são inseridos novos elementos, sempre será priorizada a manutenção dos materiais originais.

No caso de pisos ou forros que apresentem peças desgastadas mas ainda em condições de utilização, a madeira será tratada e receberá aplicação de cera protetiva para garantir sua integridade no caso dos pisos, e fundo preparador para pintura definitiva no caso dos forros.

As peças do piso apresentavam sujidade generalizada e desgaste pelo uso (dir.). À esquerda, imagem do piso após limpeza e lixação, já preparado para receber a cera protetiva para sua conservação.
Forro em madeira antes da intervenção (esq.), apresentando peças faltantes e desgastadas. À direita, forro em madeira durante a restauração, já com a madeira recuperada e tratada. As peças faltantes foram substituídas por outras com características semelhantes.
Forro em madeira finalizado após tratamento, recuperação e pintura das peças em madeira.